sexta-feira, 30 de outubro de 2009

video
Trailer do roteiro escrito por:
Bruna Anselmo
Carolina Medeiros
Melissa Pinheiro
Victória Beatriz 1ºB
video
Vídeo do canto III sobre Inês de Castro
Feito por Bruna Anselmo e Nayan Lima 1°B

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Carta do Achamento do Brasil
Cronistas do Descobrimento

A primeira crônica do livro "Cronistas do Descobrimento" é a carta de Pero Vaz de Caminha, relatando o que foi encontrado aqui no Brasil, e registrando o primeiro contato com os índios, como foi a viagem até chegarem à nova terra, narra a primeira missa católica dos portugueses.
O autor se mostra deslumbrado com o tamanho da terra descoberta.

O autor:
Pero Vaz de Caminha foi escrivão da Armada de Pedro Álvares Cabral. Escrevia de forma objetiva e os fatos eram narrados em ordem cronológica.
Relação da Viagem de Pedro Álvares Cabral
Cronistas do Descobrimento

A carta do piloto anônimo foi um relato, assim como o de Caminha, sobre a viagem e a chegada ao Brasil. Isenta de detalhes, porém com repetição explicativa. Nela, é narrada também a riqueza das terras encontradas e a aparência dos nativos.
Em alguns momentos, é contraditória em relação ao relato de Pero Vaz de Caminha, possuindo detalhes importantes não contados na carta do Achamento.
O texto não possui termos científicos e o autor, provavelmente, não era um dos pilotos.

O autor:
Nada se sabe ao certo sobre ele.
Diário da Navegação
Cronistas do Descobrimento

Nessa narrativa, Pero Lopes de Sousa conta a expedição de Martin Afonso de Sousa, que tinha como objetivo defender a costa e fundar núcleos de colonização. Registrando cronologicamente as aventuras durante a viagem, a exploração da terra e a luta contra os franceses, além do contato com os portugueses já estabelecidos aqui.
Em algumas notas, demonstra surpresa e deslumbre. Retrata a chegada à Baía de Salvador e ao Rio de Janeiro.

O autor:
Pero Lopes de Sousa era o irmão mais novo de Martin Afonso de Sousa.
Veio ao Brasil em 1530, na expedição de seu irmão, e retornou à Portugal em 1533.
Morreu seis anos depois, quando naufragou perto de Madagascar.
Carta e Diálogo Sobre a Conversão do Gentio
Cronistas do Descobrimento

Na narrativa, o jesuíta Manuel da Nóbrega fala da tentativa de catequizar os índios. Aprendeu a língua deles, os ensinou a ler e escrever e os apresentou a algumas regras da Igreja. Tentou acabar com os ''vícios'' dos índios, como antropofagia e poligamia, porém respeitavam certos costumes deles, pois acreditavam que eles eram iguais aos portugueses.
Os jesuítas tentaram catequizar os índios sem impor sua cultura, mas o fizeram.

O autor:
Manuel da Nóbrega veio ao Brasil com Tomé de Sousa. Desenvolveu intenso trabalho missionário e fundou um colégio onde se desenvolveu a cidade de São Paulo. Difundia a igualdade entre os índios. Morreu no Rio de Janeiro.
Viagem à Terra do Brasil
Cronistas do descobrimento


Jean de Léry relata em sua crônica a viagem feita para a construção da França Antártica, os costumes dos índios, os rituais canibalistas. Retrata os índios nômades e suas casas móveis. As trocas de presentes e os rituais de boas vindas.
O autor fala da ameaça que sentia dos índios, mas os tinha como boas pessoas.
Ele também descreve animais, plantas e demais singularidades desconhecidas na Europa.

O autor:
Jean de Léry era frânces, e se estabeleceu na colônia francesa França Antártica, ficando aqui por dois anos. Os conflitos entre papistas e calvinistas na colônia o fizeram conviver com os índios.
Sua obra fez grande sucesso.